Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Kreis-Anzeiger.de - Entrevista com os Tokio Hotel // Tradução

por Tokio Hotel Fans Portugal, em 09.03.17

FRANKFURT - Agosto de 2005: Uma jovem banda, com um adolescente andrógino chamado Bill Kaulitz, lançou o seu primeiro single. "Durch den Monsun" está a rebentar com as tabelas da Alemanha e entra nas mesmas como uma tempestade, em setembro do mesmo ano, seguido pelo álbum de estreia, "Schrei". Ficou cerca de 65 semanas nas tabelas. Cria-se o mito "Tokio Hotel". A banda de Magdeburgo foi polarizada logo no início, ou os odeias ou os amas. Dois anos depois, a banda aparece com "Zimmer 438" [nota do CFTH: erro do jornalista! Como sabemos é Zimmer 483], o qual acaba por não se tornar num hit. Em 2010, Bill Kaulitz e o seu irmão gémeo Tom, escapam à histeria e vão para Los Angeles. "Não conseguíamos viver uma vida normal", diz Bill Kaulitz. Na Alemanha, agora a situação já é mais tranquila em torno da banda, mas os Tokio Hotel vão para o estrangeiro e começam a lançar regularmente novos álbuns. Na sexta-feira, o quinto álbum da banda foi lançado: Dream Machine. Outro som, outra óptica - os Tokio Hotel já não são mais uma banda adolescente. A 12 de Março, a banda vai sair em tour pela Europa, Escandinávia e Rússia. A 16 de março, os Tokio Hotel vão ser nossos convidados no Batschkapp em Frankfurt. Na entrevista, Bill Kaulitz fala do tempo depois do grande sucesso, do trabalho no novo álbum em Los Angeles e sobre os anos da fiel base de fãs, a qual os Tokio Hotel construíram cuidadosamente.

Bill, no início da tua carreira, havia apenas dois lados. Ou as pessoas adoravam os Tokio Hotel ou odiavam. Como é que lidaram com isso?
Bill:
De facto, isto sempre nos ajudou. Quando as pessoas te odeiam realmente, então isso quer dizer que estás a fazer algo certo. É também isto que digo às pessoas que levam estas coisas a peito. Tentámos lidar com isso de uma forma relaxada. Quando olho para trás, digo: "fogo, tinha 15, 16 anos... como é que consegui aguentar isto?". Mas, é-se mais corajoso quando se é adolescente. Atrevemo-nos a fazer o que queríamos. Quero lá saber se as pessoas vomitam mal ouvem o nome "Tokio Hotel". Pior é quando eles dizem: quero lá saber.

Têm um novo álbum, é o vosso quinto álbum e estão agora a ensaiar para a vossa tour. Como é que é o vosso dia a dia?
Bill:
Já há dois meses que todos nós dormimos juntos, por assim dizer, na nossa sala de ensaios. Tomamos o nosso pequeno-almoço pela manhã, vemos os nossos e-mails e depois preparamos o nosso concerto juntos até à tardinha. Para mim, tem sido um pouco diferente nos últimos dias. Tenho feito muita promoção. Começo a dar entrevistas às 9h e depois só termino às 20h. Claro que depois mal tenho tempo para ensaiar.


O vosso novo álbum está diferente daquilo a que estamos habituados a ouvir vindo de vocês. Como é que definem o "Dream Machine"?
Bill:
É muito mais electrónico do que temos feito anteriormente, mas está ligado ao nosso álbum anterior. Acho que é um pouco mais sonhador - e muito mais livre...

O que é que queres dizer com isso?
Bill:
Escrevemos as músicas sozinhos e nem sempre mantivemos as estruturas convencionais. Pode-se dizer que, musicalmente, já fizemos de tudo. "Dream Machine" é um título mais "jam", por exemplo, podes pôr esta música a tocar durante mais de dez minutos. Além disso, o álbum só tem apenas dez músicas. Acho que é um pouco stressante quando um álbum tem 16, 17 músicas. Foi por isso que pensámos: vamos escolher aquelas que são melhores. Aquelas que gostamos a 100%.

O grafismo faz-me lembrar os anos 80.
Bill:
Verdade, ainda que nem sequer seja do nosso tempo. Somos da geração dos anos 90. Mas sempre adorei os anos 80. Nasci demasiado tarde.

Do que é que gostas mais dos anos 80?
Bill:
Sou um grande fã da Nena, especialmente dos álbuns mais antigos dela. Este foi o meu primeiro contacto com a música, ainda quando era a banda "Nena". Também sou um grande fã dos Depeche Mode. E também adoro os filmes dos anos 80. O "Stand by Me" e o "E.T." por exemplo. Acho que os anos 80 vão sempre nos influenciar e inspirar.

Tu e o teu irmão Tom vivem em L.A. já há uns bons anos. A cidade influenciou-vos musicalmente?
Bill:
Os clubs de L.A. passam muito hip hop. Este nem é o meu tipo de música. Acho que foi a liberdade que temos lá que nos inspirou mais. Andamos muito mais à vontade lá do que na Alemanha e acho que essa é a razão pela qual o nosso álbum parece ser "livre". Trabalhar lá provocou-nos o mesmo sentimento que tínhamos quando começámos a nossa carreira. Quando não tínhamos produtores, mesa de mistura e compositores - estes quase que eram aqueles sentimentos nostálgicos que surgiam lá. Apenas nos sentámos juntos e fizemos aquilo que pretendíamos.

Permitiram-vos que tivessem esta liberdade?
Bill:
Sim, não tivemos que nos sujeitar a nenhumas regras. A nossa editora discográfica não recebeu nenhum material com antecedência. Eles só ouviram o nosso álbum pela primeira vez há quatro semanas atrás. E era assim que tinha de ser. De volta às nossas raízes, apenas nós os quatro.

Têm alguma música favorita no álbum?
Bill:
Gosto da "Something New". Era muito importante para mim que esta música fosse a nossa música de entrada. Além dessa, gosto também muito da "Boy don't cry". Consigo imaginar fazermos um vídeo dela e lançá-la como single. Aliás, esta também foi uma das primeiras músicas do álbum.

O vosso primeiro álbum "Schrei" com o single "Durch den Monsun" foi um grande sucesso. Tiveram muita pressão para quando regressassem?
Bill:
O segundo álbum foi o mais difícil porque todos queriam saber: os Tokio Hotel são uma banda de um só hit ou conseguem ter mais do que um? Tivemos a sorte de conseguirmos fazer uma tour fora da Alemanha e irmos a imensos países. Isto acalmou-nos. O "Dream Machine" é o nosso quinto álbum, por isso já não temos essa pressão. Quero dizer, podemos nos dar ao luxo de fazermos aquilo que gostamos. Tudo o resto não interessa.

Conseguem imaginar-se a viver um dia mais tarde na Alemanha outra vez?
Bill:
Eu e o Tom tínhamos 20 anos quando fomos para L.A.. Voltámos a ter uma vida normal outra vez, o que não era possível na Alemanha naquela altura. A cidade tornou-se a nossa casa e acho que vai ser sempre a nossa base. Mas consigo imaginar-me a ter uma segunda casa em Berlim. Sou muito feliz em Berlim e adoro a Alemanha. Agora consigo desfrutar muito mais dela quando estou aqui.

As pessoas só conseguem apreciar as coisas quando estas se começam a tornar raras.
Bill:
Sim, só se apercebe disso quando já não se vive aqui. É assim em todo o lado, por exemplo, quando alguém vai de férias. Gosto da ideia de ter algures por aí a minha base, a minha casa, mas também estar apto a afastar-me de lá. Consigo imaginar muito bem Berlim como segunda casa.

Onde é que se sentem mais confortáveis: em tour ou no estúdio?
Bill:
Ui, pergunta difícil. A vida em tour é fixe. Estás numa bolha, os teus dias são completamente organizados e todos eles são praticamente iguais. Tens que beber imenso chá e manter-te saudável para conseguires dar um bom espectáculo todos os dias. Isto pode ser muito agradável porque não se tem com o que mais se preocupar. É só o espectáculo. De qualquer das formas, quando estou em estúdio, à noite estou sempre em movimento. Gosto de ir a festas e de estar com pessoas. Gosto de passear em L.A., ir para as festas e sair com os meus amigos. De certa forma, preciso dos dois. A vida em tour faz-me muito bem. Trabalhar também é importante. Quando trabalho pouco, fico com pensamentos parvos (risos).

Que tipo de pensamentos parvos?
Bill:
Bem, gosto de ir a festas... (ri-se outra vez).

O vosso novo álbum é como se fosse um desenvolvimento consistente do álbum anterior "Kings of Suburbia", que mais uma vez é muito diferente do que qualquer outra coisa que vocês fizeram anteriormente. Foram vocês que forçaram esta mudança de imagem em termos musicais?
Bill:
Com o "Kings of Suburbia" também produzimos e escrevemos o álbum por nós mesmos pela primeira vez, por isso isto pode ser visto como um começo. Porque, nessa altura, encontrámos o som que nos fazia sentir em casa. Todos mudamos ao longo dos anos, e o mesmo se aplica à música. Também há que ver se se consegue implementar a música que se gosta na música que se cria. O "Kings of Suburbia" foi o início deste processo e ficámos agarrados a isso.

Então, encontraram o vosso estilo?
Bill:
Sim, acho que já o tínhamos encontrado com o "Kings of Suburbia" e agora apenas o redefinimos.

Mas o som é muito diferente do dos vossos álbuns anteriores. Não é difícil de satisfazer os vossos fãs que sempre estiveram com vocês desde o início?
Bill:
Acho que é óptimo que ainda tenhamos aqueles "verdadeiros" fãs. Sinto que a indústria da música se transformou muito rapidamente nos últimos anos. Hoje tens um hit que tem cliques no youtube e imensos seguidores no Instagram, mas os fãs, quero dizer, aqueles fãs hardcore estão em falta. Nem sequer se consegue fazer uma verdadeira tour. Connosco é diferente. Somos tão sortudos por termos a nossa base de fãs que construímos ao longo dos anos, que é tão fiel. Acho que é difícil de criar algo assim hoje em dia. Os nossos fãs estão sempre lá. Temos uma base e eles acompanham-nos para todo o lado. Mas, nunca sentimos a necessidade de servir os nosso fãs, muito pelo contrário. Isso acalma-nos e faz-nos sentir orgulhosos. Isto é luxo.

E também estão numa situação confortável por terem essas bases de fãs em imensos países.
Bill:
Exactamente. Em princípio, conseguimos ir em tour a qualquer lugar, o que é mesmo muito bom. Rússia, EUA, América do Sul, Europa - o que é muito fixe. Claro que não é igual em todo o lado. A música tem muito a ver com as linhas do tempo [Zeitgeist] e essas coisas assim. E isso varia de país para país. Mas resulta. Somos interpretados de maneira muito diferente nos outros países quando comparado com a Alemanha.

Actualmente, os recintos - pelo menos na Alemanha - são muito mais pequenos do que eram anteriormente. Isso não vos dá cabo do ego?
Bill:
Isso não nos incomoda. Na Alemanha, estamos, de facto, a tocar em recintos e em clubs muito mais pequenos - que devem ter entre 2000 a 8000 lugares - mas que mesmo assim ainda nos dá para divertir imenso. Há 17 anos atrás ainda tocávamos em espaços muito mais pequenos, sabemos disso e sentimo-nos bem.

Também vão tocar músicas antigas na tour?
Bill:
Claro. O concerto é colorido e muito diversificado. Temos muitas músicas novas, mas também muitas antigas. De momento, andamos a tratar dos fatos e da luz e a tentar arranjar um "quadro".

O espectáculo também vai seguir o rumo dos anos 80?
Bill:
Sim, definitivamente. Mas não quero revelar muito mais.

Tradução: CFTH
Fonte

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00



Destaques

RWvoLha.jpg

 Mais informações sobre o novo álbum Dream Machine aqui!

_____________________________________

Resultado de imagem para dream machine world tourA Dream Machine World Tour 2017 está a chegar! Fica atento!


Agenda

PROMOÇÃO DREAM MACHINE

07/03/17 Markus Lanz @ ZDF |+|
11/03/17 Schlag den Star @ MySpass |+|

Resultado de imagem para dream machine world tour

DREAM MACHINE WORLD
TOUR
 2017

12/03/17 Reino Unido, Londres +
13/03/17 Bélgica, Bruxelas +
15/03/17 Alemanha, Hamburgo +
16/03/17 Alemanha, Frankfurt +
19/03/17 Holanda, Amesterdão +
18/02/17 Holanda, Nijmegen +
21/03/17 França, Paris +
22/03/17 França, Lyon +
24/03/17 Alemanha, Colónia +
25/03/17 Alemanha, Estugarda +
27/03/17 Suíça, Zurique +
28/03/17 Itália, Milão +
29/03/17 Itália, Roma +
31/03/17 Alemanha, Munique +
01/04/17 Alemanha, Leipzig +
03/04/17 República Checa, Praga +
04/04/17 Alemanha, Berlim +
06/04/17 Suécia, Estocolmo +
07/04/17 Noruega, Oslo +
09/04/17 Finlândia, Helsínquia +
10/04/17 Letónia, Riga +
12/04/17 Polónia, Varsóvia +
19/04/17 Rússia, Novosibirsk 
21/04/17 Rússia, Ekaterinburgo
22/04/17 Rússia, Ufa
23/04/17 Rússia, Kazan
25/04/17 Rússia, S.Petersburgo
26/04/17 Rússia, Moscovo
28/04/17 Rússia, Voronezh
29/04/17 Rússia, Krasnodar

Segue todas as informações aqui


Últimos Projectos

 DREAM MACHINE

RWvoLha.jpg

 

Tipo: Álbum
Lançamento: 03/03/2017
Comprar: FNAC | 

Billy - Love Don't Break Me

Tipo: EP + Livro
Lançamento: 20 Maio de 2016
Comprar: Billy Official


Conversa com outros fãs

Regras de utilização:
» Não é permitido qualquer desrespeito a qualquer membro da banda, fãs ou outros utilizadores deste chat.
» Não é permitido o spam exaustivo.


Oficial

lll SITE 
lll FACEBOOK
lll VK 
lll GOOGLE +
lll MYSPACE
lll TWITTER
lll SPOTIFY
lll DECODE
lll YOUTUBE
lll VEVO
lll BRAVADO

lll IG TOKIO HOTEL
lll IG BILL K.
lll IG GEORG L.
lll IG GUSTAV S.
lll IG TOM K.
lll FACEBOOK BILLY 
lll TWITTER BILLY
lll IG BILLY
lll CF ALEMÃO
lll CF PORTUGUÊS
lll STREET TEAM

 


Elite

  
    
+ apply


Top Affiliates

lll O teu site aqui
lll Your website here
lll O teu site aqui
lll Your website here

+ apply


Disclamer

Tokio Hotel Fans Portugal é um site de fãs, não estando associado de qualquer forma aos Tokio Hotel ou à sua equipa. É um site feito de fãs para outros fãs. Não declaramos nenhumas fotografias publicadas como nossas, a não ser quando devidamente identificadas e não temos qualquer objectivo de infringir o copyright. Todo o contéudo aqui publicado são propriedade do respectivo dono. Por favor, não copiem nada sem a nossa permissão ou, em vez disso, é favor darem os créditos devidos.

Licença Creative Commons


site

WEBMISS: Aniinhas
ONLINE SINCE: 30.08.2006
HOST: BLOGS.SAPO.PT
LAYOUT BY: ANIINHAS
CONTACT: EMAIL